SOS - ESPÍRITO SANTO

Como ajudar as vítimas da enchente no Espírito Santo.

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

O brasileiro está mais interessado em Ciência e Tecnologia? - MCTI responde

Perguntei ao ouvidor do MCTI a respeito da interpretação de que o brasileiro está mais interessado em C&T, minha mensagem foi repassada ao chefe do Departamento de Popularização e Difusão da Ciência e Tecnologia do ministério, Prof. Dr. Ildeu de Castro Moreira, que gentilmente respondeu.

Segue abaixo a troca de mensagens:
=============
-------- Mensagem original --------
Assunto: Ouvidoria MCT - Sugestão
Data: Mon, 22 Aug 2011 01:40:28 -0300 (BRT)
De: ouvidoria@mct.gov.br
Para: ouvidoria@mct.gov.br

Senhor Ouvidor, a seguinte mensagem foi postada pela Ouvidoria do Site do MCT:
Ocorrência Nº.: xxx
E-mail: rmtakata@xxx
Mensagem: Na verdade é uma dúvida. Em relação às pesquisas Percepção Pública da Ciência e Tecnologia de 2006 e de 2010, noto que nos relatórios, a codificação para a pergunta a respeito do interesse dos entrevistados é diferente.

Na de 2006, são apresentadas apenas as categorias: muito interesse, pouco interesse e nenhum interesse (além de não respondeu/não sabe).

Na de 2010: muito interessado, interessado, pouco interessado e não tem interesse (e ns/nr).

Houve mudança na formulação da questão?

Cordialmente,

Roberto Takata
------------

Date: Mon, 22 Aug 2011 09:50:46 -0300
From: icmoreira@xxx
To: rmtakata@xxx
CC: ouvidoria@mct.gov.br
Subject: enquetes

Prezado Roberto,

Obrigado por sua mensagem.
De fato alteramos as categorias (passando de 3 para 4) em 2 questões da enquete, depois de alguma discussão entre especialistas, para poder fazer comparações com questões similares de outros países e também porque o menu de respostas fica mais "equilibrado". Claro que isto dificulta a comparação com a enqute de 2006, mas esperamos que as próximas mantenham a estrutura de 2010 para possibilitar uma comparação mais precisa.

Um abraço
Ildeu Moreira
Diretor Depdi/Secis
Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação

------------

From: rmtakata@xxx
To: icmoreira@xxx
Subject: RE: enquetes
Date: Mon, 22 Aug 2011 12:12:59 -0300

Prezado Prof. Dr. Ildeu Moreira,

Grato pela informação. É que algumas notícias divulgadas, e parece que era a interpretação do próprio MCT, relatavam um aumento (e expressivo) no interesse do brasileiro por C&T(e outros temas - exceto política). Eu creio que tenha sido um efeito da alteração das categorias (fiz uma ligeira análise e publiquei em meu blogue: http://genereporter.blogspot.com/2011/08/o-brasileiro-esta-mais-interessado-em.html).

A próxima pesquisa será em 2014?

Agradeço mais uma vez a informação e a atenção.

Cordialmente,

Roberto Takata

------------

Date: Mon, 22 Aug 2011 13:51:08 -0300
From: icmoreira@xxx
To: rmtakata@xxx
Subject: Re: RE: enquetes

Roberto

Esta foi uma falha decorrente da tabulação que uma pessoa do MCT fez qdo fazia os gráfico comparativos. Tirei fora estes slides, mas eles já haviam circulado e conduziram a esta interpretação errônea. De fato, o interesse, que é grande variou pouco. Nesta questão específica, a diferença mais significativa foi o crescimento do interesse pela questão ambiental
Abs
Ildeu

------------

From: rmtakata@xxx
To: icmoreira@xxx
Subject: RE: enquetes
Date: Mon, 22 Aug 2011 14:22:28 -0300

Prezado Prof. Dr. Ildeu Moreira,

Mais uma vez, muito obrigado.

Nas próximas edições há intenção de se incluir perguntas sobre Compreensão Pública de Ciências, como no SEI/NSF e Eurobarometer? (Na pesquisa realizada pela Fapesp em três grandes cidades paulistas, encontraram-se resultados interessantes: quanto maior a compreensão do entrevistado, menor o apoio incondicional às C&T: http://www.fapesp.br/indicadores2004/volume1/cap12_vol1.pdf.)

Cordialmente,

Roberto Takata

------------

Date: Mon, 22 Aug 2011 18:36:30 -0300
From: icmoreira@xxx
To: rmtakata@xxx
Subject: Re: RE: enquetes

Roberto

Discutimos isto bastante com a equipe que formulou o questionário (da qual participou tb o Martin Bauer que coordenou a pesquisa do Eurobarômetro por um tempo, além de colegas da Argentina e de outros grupos brasileiros) mas decidimos não fazê-lo. Eu particularmente sou crítico em relação algumas daquelas questões que estão mal formuladas ou que são até incorretas.
Abraço
Ildeu

------------

From: rmtakata@xxx
To: icmoreira@xxx
Subject: RE: enquetes
Date: Mon, 22 Aug 2011 20:41:39 -0300

Prezado Prof. Dr. Ildeu Moreira,

Muitíssimo obrigado pelos esclarecimentos.

Peço permissão para acrescentar esses esclarecimentos na postagem do meu blogue em que analiso parte do resultado da pesquisa.

Cordialmente,

Roberto Takata

------------
Date: Tue, 23 Aug 2011 01:03:01 -0300
From: icmoreira@xxx
To: rmtakata@xxx
Subject: Re: RE: enquetes

ok, Roberto.
Abraço
ildeu

------------

Acabei sem saber se manterão a regularidade de 4 anos entre as pesquisas. Mas tem pelo menos uma nova programada para algum momento futuro.

Escolha deles, mas eu acharia muito interessante a inclusão das perguntas sobre conhecimento. Mesmo que reformulassem as que parecessem inadequadas.

2 comentários:

Roberto G. S. Berlinck disse...

É melhor realizar uma pesquisa, mesmo com questões mal formuladas?

http://quiprona.wordpress.com/2011/01/17/bom-ou-ruim-depende-das-perguntas/

none disse...

Salve, Berlinck,

De fato a forma de abordagem das questões influencia na resposta. Um efeito bem conhecido (e sujeito a manipulações).

Se forem mal formuladas, as questões não devem ser feitas. Mas, neste caso, acho que não se trata exatamente de uma má formulação. É mais o caso de limitações quanto à interpretação.

De todo modo, se esse efeito de uma ou mais perguntas não alterar a perpceção positiva, é de se observar que nas pesquisas de percepção e atitude sobre Ciências no Brasil mesmo com uma única pergunta, as respostas positivas foram predominantes.

A formulação da pergunta tem tb a limitação do fator de comparabilidade. Há interesse em repetir as formulações usadas em pesquisas similares para que os resultados possam ser cotejados.

[]s,

Roberto Takata

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails