PESQUISA

Participe da votação sobre os melhores canais de divulgação científica em português na internet.

quarta-feira, 13 de junho de 2018

Desenevoando a rede de neblina: sobre segurança e ética de captura de animais para pesquisa

Em o que me remete ao caso do Instituto Royal, uma docente universitária atacou a pesquisa de outros pesquisadores universitários que usam a rede de neblina - uma rede de malha bem fina fios bem finos para captura de aves e morcegos para fins de estudo.

Quando utilizada por pessoal devidamente autorizado e treinado, o instrumento é bastante seguro para os animais que acabam se emaranhando na rede.

Embora algum nível de estresse deva ser inevitável, segundo dados disponíveis, é bastante raro ocorrer ferimento - apenas 0,59% (± 0,68%) dos indivíduos capturados acabam sofrendo alguma injúria física - e mais raro ainda que algum morra - uma probabilidade de 0,23% (± 0,15%; menos de 3 indivíduos a cada 1.000 capturados morrem). E não parece interferir no sucesso reprodutivo das aves capturadas e liberadas em seguida.

A técnica pode aumentar a exposição dos indivíduos presos a predadores, mas isso pode ser controlado diminuindo-se o intervalo entre as visitas às redes para verificar se houve alguma captura. Tal cuidado também pode diminuir o grau de emaranhamento dos indivíduos na rede - o que pode levar a cortes e estrangulamentos, além de estresse mais alto. Protocolos geralmente garantem prioridade para a remoção da rede de indivíduos que pareçam estar em condições mais precárias ou potencialmente precárias (risco de ferimentos ao se debater, p.e.).

O uso da rede é necessário para estudo de espécies de hábitos noturnos - já que a simples observação com binóculos é bastante prejudicada - e também para a captura para aquisição de dados biométricos como peso corporal ou envergadura da asa; amostras biológicas como sangue e tecido; e marcação como anilhamento. Esses estudos permitem acompanhar a saúde das populações locais - quantos indivíduos são? estão diminuindo em número? estão conseguindo obter alimentos suficientes? qual o grau de cruzamento entre indivíduos proximamente aparentados? eles migram para outros locais? Essas e outras informações são fundamentais para não apenas se entender a biologia básica e o estado da população dos organismos, mas para a própria conservação das espécies - mapear áreas que são vitais para a sobrevivência (onde ocorrem os alimentos, p.e.), o tamanho da área necessária, que manejos podem ser necessários (controlar predadores? parasitas? trazer indivíduos de outros locais para repopular e aumentar a variabilidade genética?), etc.

Esses dados são essenciais para saber que espécies preservar e como preservar. Esse planejamento não é possível com simples achismos. Há outras técnicas que poderiam substituir as redes, mas com impacto definitivamente maior - como o abate de espécimes (que é praticado em algumas circunstâncias, como para obter espécimes de referência para museus) ou uso de armadilhas de gaiola (que podem acabar capturando outros organismos, como pequenos mamíferos arborícolas; e causar mais ferimentos no organismos que se debate em seu interior, já que não são tão flexíveis quanto redes).

A vigilância e o questionamento são necessários. É verdade que a rede de neblina foi utilizada por décadas sem que houvesse estudos sistemáticos sobre seu impacto e segurança - em parte porque os pesquisadores, na prática, não notavam um número muito grande de animais feridos ou mortos -, mas agora há. Podem ser necessários mais estudos? Talvez seja prudente - ainda que as mais de 600.000 capturas incluídas no estudo sejam uma amostra respeitável, pode ser que seja necessário estudar em mais locais.

Porém a simples destruição das instalações, a difusão impensada de opiniões mal embasadas - inclusive com mensagens agressivas e até xenofóbicas (um dos pesquisadores acusados é de origem peruana, ao que parece) -, não contribui nem com um eventual aperfeiçoamento das técnicas de estudo e muito menos com a conservação adequada das espécies. Incute também um espírito de caça às bruxas, como a que resultou na destruição do Instituto Royal - e consequente interrupção de importantes pesquisas.

Veja também:
Canal do Slow (14.jun.2018): A UERJ e a 'matança' de aves!
Jornal da Ciência (14.jun.2018): Entidades científicas divulgam manifestações em apoio à pesquisadora Maria Alice dos Santos Alves e equipe da Uerj
Canal do Pirula (15.jun.2018): Sabotagem à pesquisa e 'crueldade com animais'
BBC (21.jun.2018): Ativistas destroem experimento científico para libertar pássaros na Ilha Grande
Grrlscientist (01.jul.2011): How safe is mist netting for birds?

A péssima ideia de Thanos

Como já se passou um tempo desde a estreia de Vingadores: Guerra Infinita, em 23 de abril (dia seguinte ao Dia da Terra), acho que dá pra comentar uma parte principal do enredo sem que se caracterize como spoiler - se alguém ainda não viu (ainda está em cartaz em alguns cinemas no Brasil), então fica o alerta de spoiler.

--------------------
SPOILER ALERT!!!!!
--------------------

O plano de Thanos de usar as joias do infinito para sumir com metade da vida (sensciente) do Universo - no filme só falam genericamente em "vida", nos quadrinhos especificam "vida sensciente" -, além de eticamente absolutamente revoltante, não faz sentido racional.

Nos quadrinhos, ainda a intenção é de agradar a dona Morte, crush do titão louco; mas, no filme, o objetivo é trazer o equilíbrio ao Universo: os trilhões de habitantes estão consumindo recursos a um ritmo insustentável, o que logo causaria guerras e fomes (Malthus, alguém?). Em um verniz "humanitário", Thanos, então, elimina 50% dos seres sem distinção de sexo, raça, credo, cor, idade, status socioeconômico, ideologia política, sistema operacional de preferência, se marvete ou decenauta... (ele pode ser um vilão abjeto, mas preconceituoso pelo menos ele não é).

Mas isso traz equilíbrio para o Universo? Outro spoiler alert: não!

Peguemos o exemplo da Terra e seus primatas glabros. Em 1950, a população humana era estimada em torno de 2,5 bilhões de habitantes; em 1987, foi estimada em 5 bilhões de pessoas. Simplesmente dobramos em pouco mais de 35 anos.* (Fig. 1.) Se nos outros planetas a dinâmica demográfica for mais ou menos a mesma, em algumas dezenas de anos voltaríamos à mesma situação.

O tempo poderia ser até menor, porque hoje a tecnologia está muito mais avançada. E, depois de se recuperar do baque econômico que provavelmente adviria com o desaparecimento súbito de 50% da força de trabalho e do mercado consumidor, poderíamos ter um crescimento vertiginoso com o excesso de recursos por habitantes. Se eu sobrevivesse ao dustening, investiria todos os meus proventos no mercado ligado à maternidade e cuidados com bebês e crianças.
Figura 1. Tamanho estimado da população humana na Terra ao longo do tempo.

A perda súbita de um grande número de indivíduos pode colocar espécies em risco de extinção apenas se a população restante tem um número muito baixo de indivíduos reprodutivamente aptos. A população viável mínima (MVP - minimum viable population) varia de espécie para espécie - alguns invertebrados marinhos podem reconstituir a população inteira a partir de apenas um casal de indivíduos sobreviventes. Em humanos seria complicado porque significaria que irmãos procriariam com irmãos (e/ou com os pais), o que tornaria o risco de gerar descendentes com problemas genéticos (pela homozigose de alelos disfuncionais) muito alto e rapidamente inviabilizaria a continuidade reprodutiva. Em certos invertebrados isso não é um problema - com uma prole muito grande, a pequena fração de indivíduos que escapam de herdar cópias defeituosas já seria suficiente para garantir a continuidade reprodutiva. Mas para mamíferos, com taxas reprodutivas médias um pouco mais baixa do que de invertebrados, o MVP é mais alto - uma média de 95 indivíduos. Em humanos, com taxa reprodutiva menor do que a média dos mamíferos, o número deve ser em torno de 160 indivíduos. Ou seja, mesmo com a catastrófica redução da população atual à metade, ainda estaríamos longe, muito longe do risco de extinção.

Se o titã não fosse louco e obcecado com um plot destinado a fracassar (ao menos se a biologia reprodutiva dos demais seres senscientes do Universo for, grosso modo, similar à nossa - o que pode ser o caso para que híbridos interespecíficos como o Senhor das Estrelas possam existir) - mesmo que os Vingadores não fossem capazes de revertê-lo na continuação (e serão, óbvio; a Disney/Marvel não deixaria uma personagem que acabou de faturar mais de 1 bilhão de dólares em bilheteria relegada ao pó) -, ele bem poderia usar a joia da mente combinada com o poder das outras para convencer toda a população sensível do Universo a adotarem medidas menos consumistas, a aproveitarem mais inteligentemente os recursos, valendo-se dos 4R (reduzir, reaproveitar, repensar, reciclar), desenvolvendo fontes de energia alternativas, e revertendo os danos causados ao ambiente, além de adotar práticas de planejamento reprodutivo - isso teria um efeito permanente sem o fim catastrófico de fome, miséria, doenças e guerras.

Com o devido pedido de desculpas à Marvel...
...(Acho que nunca me contratariam de roteirista em Oliúde.)

*Upideite(14.jun.2018): Outra comparação, por volta de 1971, a população era de cerca de 3,7 bilhões de pessoas, hoje somos cerca de 7,5 bilhões - uma janela de cerca de 50 anos.

Mas o impacto psicológico não afetaria as taxas reprodutivas? Alguns indícios disponíveis apontam que após desastres como guerras, terremotos e furacões, a população sobrevivente tem um *aumento* na taxa de nascimentos. Na cidade britânica de Aberfan, País de Gales, após a tragédia causada pelo desmoronamento do monte de rejeito de minério de carvão, em 1966, durante cinco anos foi notado um aumento da taxa de nascimentos na comunidade local - tanto em famílias que perderam como entre as que não perderam parentes. Também foi detectado aumento de taxas de nascimentos (e de casamentos - e de divórcios) em condados do estado americano da Carolina do Sul após a passagem do furacão Hugo, em 1989. O mesmo efeito foi observado na cidade de Oklahoma nos Estados Unidos, após o atentado a bomba em 1995. Após o tsunami de 2004 que devastou amplas áreas das costas no Oceano Índico, a taxa de natalidade em diversas comunidades na Indonésia aumentou significativamente.Nos meses seguintes ao terremoto da comuna italiana de Áquila em 2009, também foi detectado um aumento de nascimentos - aparentemente a decisão de ter filhos foi um ato consciente das mulheres como mecanismo de lidar com o estresse pós-traumático. O efeito parece ser variável, no entanto, após serem atingidos pelo furacão Katrina em 2004, cidades da região da costa do Golfo nos EUA apresentaram diferenças nas taxas de natalidade - houve queda em paróquias de Louisina e Mississippi, e aumento em Alabama. De qualquer forma, tomado em conjunto, esses dados parecem indicar que seria uma boa aposta que a recuperação populacional pós-dustening poderia ser acelerada (ao menos aqui na Terra).

Mas e as mudanças nas tecnologias assistivas de planejamento familiar? Novas gerações de anticoncepcionais, uma maior liberalização geral do aborto no mundo em relação há 50, 70 anos atrás, e maior renda e acesso à educação, certamente diminuíram as taxas de natalidade. Se levou 37 anos de 1950 a 1987 para dobrar a população, levou 47 anos de 1971 a 2018. Mas consideremos as projeções de que a população humana deverá ser algo em torno de 12 bilhões por volta do ano 2100. Se usarmos essa taxa mais lenta futura, para ir de 3,7 para 7,5 bilhões de pessoas, ainda assim levaria pouco menos de 70 anos.

Upideite(22/jul/2018): Veja também:
Atila Iamarino/Nerdologia 14.jun.2018: "Porque a história de Thanos não faz sentido" (vídeo)

domingo, 3 de junho de 2018

Especulando: Algumas sugestões de propostas para ciências e divulgação

A SBPC e a ABC, como já é tradição, lançaram propostas para serem encampadas por candidatos nas eleições deste ano.

Na onda o GR também gostaria de sugerir algumas - bem mais modestas no tamanho e alcance - como complemento. Publiquei alhures e reproduzo abaixo as propostas. Algumas já havia sugerido para o então ministro de CT&I em 2011.
-------------
Aproveitando que temos um certo número de pré-candidatos cientistas, algumas propostas - que não necessariamente envolvem mudanças na legislação - pra considerarem e levarem a suas universidades.
1. Desenvolvimento de indicadores de retorno social de investimentos em P&D e nas universidades públicas. Talvez algo na linha do Balanço Social da Embrapa - mas que certamente precisaria ser adaptado. A discutir se se deveria estabelecer metas de indicadores ao longo do tempo - para unidades individuais ou pro sistema de ciência e tecnologia como um todo.
2. Criação de um banco da dados nacional que colija os microdados - com proteção da identificação de respondentes individuais - de toda pesquisa eleitoral e de toda pesquisa de opinião financiada por órgãos públicos (exceto talvez o IBGE, que publica em meios próprios). A se ver se ficaria aberta ao público - acho que deveria, com restrições de granulação (p.e. células que retornassem menos de 10 respostas não seriam disponibilizadas) - ou com acesso apenas a pessoal cadastrado: cientistas sociais, p.e. Seria necessária uma lei para obrigar os institutos de pesquisa de opinião a enviarem os microdados em formato determinado. (Seria preciso um trabalho prévio de definição de ontologia para uniformizar categorias de dados.)
3. (Se eu for selecionado, esta vou apresentar no Camp do Serrapilheira primeiro.)*
4. Criação de uma rede nacional de divulgação científica em instituições públicas de ensino e pesquisa. Uma coordenação leve - essencialmente disponibilização em agenda única online de todas as atividades de divulgação científica; talvez fornecimento de infraestrutura para disponibilizar o material online. Serviria de base também para trocas de experiências entre as instituições. Poderia se ampliar em uma rede de comunicação das instituições - incluindo comunicação institucional, p.e. Potenciais vantagens: uma instituição A vai trazer um palestrante X pro dia Z; uma instituição B, perto de A, poderia se oferecer a rachar a despesa de trazer o mesmo palestrante, e ter também uma palestra em outro dia próximo (ou talvez no mesmo); uma instituição que vai realizar um evento de um dado tema, já terá uma série de sugestões de possíveis convidados... poderá ver qual o melhor dia para realizar o evento, etc.
5. Criação de um banco de dados unificado de tecnologias e serviços dos IFES. A USP e, principalmente, a Unicamp têm um cadastro de inovações que podem servir de modelo; o Banco do Brasil também tem um inventário de tecnologias sociais. As pesquisas aplicadas ou com potencial de aplicação desenvolvidas nas universidades federais seriam mapeadas e seu grau de desenvolvimento e características poderiam ser consultadas pelo banco de dados por eventuais parceiros que queiram financiar a pesquisa ou licenciar o uso. Poderia envolver a criação de um showroom tecnológico - virtual ou mesmo físico - e realização de feiras periódicas. (Alguns dados poderiam ficar sob proteção de sigilo, como tecnologias a serem patenteadas.)
-------------
*Se minha submissão ao camp for rejeitada, o que é mais provável, atualizo a postagem com a proposta.**

**Upideite(12.ago.2018): A minha proposta foi rejeitada. A que apresentei era a formação de um painel de análise e consolidação da literatura disponível a respeito da divulgação científica: o que funciona, o que não funciona, sob quais circunstâncias. Meio ao estilo IPCC para as mudança climáticas. Apontando também quais áreas são prioritárias para pesquisas mais aprofundadas.

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails