PESQUISA

Participe da votação sobre os melhores canais de divulgação científica em português na internet.

quarta-feira, 24 de abril de 2019

Especulando: Crise das ciências, DC e ação política

Neste momento particularmente terrível para a ciência brasileira com o contingenciamento de 42% do orçamento da pasta do MCTIC - e com um orçamento que já era reduzido em relação aos anos anteriores - e várias ações do anti-intelectualismo que grassam no governo em várias esferas (de CPI das Universidades em São Paulo, campanhas para filmar e denunciar professores, mentiras ditas sem contestação a respeito da pesquisa em universidades públicas, etc.), a comunidade acadêmico-científica parece apostar em duas fichas: a divulgação científica e o ativismo político.

De um lado, acho mais do que válida e bem vinda a valorização por parte dos cientistas em geral do que muitas vezes era vista como patinho feio do trinômio universitário: a extensão. E dentro da extensão, a DC também muitas vezes gerava mal entendidos - como o famigerado (e certamente falso) "efeito Carl Sagan" - de que acadêmicos que se dedicam à divulgação tendem a ser pouco produtivos em publicações científicas.

Entre outros efeitos, isso deve (acho) redundar em: 1) mais cientistas se dedicando à atividades de DC; 2) mais oportunidades de trabalho para grupos já relativamente organizados de DC; 3) maior preocupação com capacitação e formação dos divulgadores.

Mas me preocupo um tanto com um aparente excesso de esperanças que parte da comunidade científica parece depositar na DC para angariar apoio popular - e, daí, político; e, daí, reverter cortes nos financiamentos e ações anticiência. A DC tem um papel importante a desempenhar, mas a expectativa me parece irreal. Ela não faz mágica.

A DC não é meramente um departamento de relações públicas e assessoria de imprensa e de imagem das ciências. Parte dela pode cumprir tal papel. Mas é também parte da DC desempenhar um papel de observação crítica da prática científica. Denunciar más práticas, relativizar hypes de descobertas - colocando em contexto ou até mesmo apontando possíveis consequências danosas da aplicação de um achado científico, é algo que cabe à DC (seja ou não na vertente do jornalismo científico) - ainda que não exclusivamente à DC, a própria ciência em si tem seus fóruns internos para tal discussão (p.e. a questão sobre o uso ou não de significância estatística como critério dicotômico de aceitação ou não de hipóteses tem sido feita através de artigos científicos e de opinião em publicações científicas e acadêmicas).

Mas mesmo a DC em seu papel de reforçar a confiança nas ciências é limitada. Estudos de persuasão indicam que os variados métodos como uso de humor, metáforas, elementos emotivos, admoestações peremptórias, inoculação preventiva, etc. têm resultados modestos (ainda que positivos) nas atitudes do público em relação às ciências. As pesquisas têm ajudado a conhecer as melhores práticas da DC no quesito convencimento, mas ainda estão engatinhando como uma área de ciência da divulgação de ciências.

A DC precisa vir acompanhada de muitos outros fatores a mudar a relação entre a comunidade científica e a sociedade em que ela se insere. Transparência/accountability e participação democrática são dois termos chave que vêm sendo brandidos e estudados nesse quesito. A comunidade científica se abrir mais para a participação popular na definição de prioridades das pesquisas e discussão das preocupações com as tecnologias em uso e por se introduzir - até mesmo com os não especialistas botando a mão na massa na prática da ciência cidadã. É um processo que exige humildade nem sempre fácil de se aceitar e confiança mútua nem sempre prontamente estabelecida. Porém, o contrário, a desconfiança mútua e a arrogância, trazem o afastamento e estranhamento que só prejudicam a ambos os setores como o cerco à liberdade acadêmica, de um lado, e o ressurgimento de doenças preveníveis por vacinação por conta da baixa adesão, de outro, demonstram bem.

Um outro movimento que a academia tem (re)tomado e que também em histórico recente é alvo de polêmicas internas é o do ativismo político. Marchas e protestos (ainda que de alcance limitado - em parte, justamente por essa resistência da academia a se ver em meio a algo que não é meramente a discussão racional do fazer científico), lobbies (ou, em termo socialmente mais aceitável, grupos de advocacy ou de pressão) (recentemente pelo menos três iniciativas foram organizadas - o Instituto Questão de Ciência, como associação independente de indivíduos; o Observatório do Conhecimento, uma rede de associações discentes do ensino superior; e a Iniciativa para a Ciência e Tecnologia no Parlamento, a ICTP.br, um movimento conjunto da SBPC com outras sociedades científicas - todas com o objetivo de interlocução com parlamentares para a elaboração de políticas públicas baseadas no conhecimento científico e em defesa da ciência), e talvez num movimento mais ousado: lançando candidatos cientistas a cargos públicos representativos (embora nenhuma entidade científica - até por questões estatutárias e legais - tenha apoiado abertamente algum) cientistas.

Foram durante os anos de chumbo que a SBPC teve alguns de seus momentos de maior relevância, colocando-se como elemento de resistência à perseguição político-ideológica do regime contra acadêmicos, cientistas e intelectuais.

Um terceiro movimento, não organizado (ao menos por enquanto), é o de simplesmente (quase nunca é simples, na verdade) tentar ir buscar oportunidades (e fugir de perseguições) no exterior. Desconheço uma medida do tamanho do brain drain atual (se souberem de estudos estimando o total de cientistas brasileiros que tenham se mudado para o estrangeiro em tempos recentes, por favor, indiquem nos comentários*). É um movimento compreensível, mas, claro, que não tende a ser ativamente incentivado pela academia.

Um quarto busca articular os dois primeiros: DC e ação política. Mas é ainda mais incipiente. E igualmente (ou até mais, talvez) polêmico. É compreensível a resistência uma vez que, sim, é preciso resguardar tanto a prática científica quanto a comunicação pública a respeito dela de vieses que as distorçam. Mas, sem equacionar a questão, a máquina anti-intelectual vem fechando o cerco. Pode ser questão de sobrevivência (até literal).

*Upideite(19.mai.2019): Um grupo da Unicamp está mapeando a diáspora de cientistas brasileiros nos Estados Unidos.

terça-feira, 9 de abril de 2019

Divagação científica - O que é divulgação científica?

Segue abaixo uma pequena compilação não-exaustiva de diferentes definições de divulgação científica (aka comunicação pública de ciências ou compreensão pública de ciências). Adições serão feitas ao longo do tempo à medida em que me deparar com outras definições.

------------------
Bueno. 1988.
"... utilização de recursos, técnicas, processos e produtos (veículos ou canais) para a veiculação de informações científicas, tecnológicas ou associadas a inovações ao público leigo."

Fayard 1988.
"... engloba a soma das atividades que possuem conteúdos científicos vulgarizados e destinados ao público de não especialistas em situação não cativa. Esta definição exclui de seu campo a comunicação disciplinar entre especialistas e o ensino."

Calvo Hernando. 1992.
"... compreende toda atividade de explicação e difusão dos conhecimentos, da cultura e do pensamento científico e técnico, com duas condições, duas reservas: a primeira, que a explicação e a divulgação se façam fora do marco do ensino oficial ou equivalente, a segunda, que estas explicações extra-escolares não tenham como objetivo formar especialistas ou aperfeiçoá-los em seu próprio campo, pois o que se pretende, pelo contrário, é complementar a cultura dos especialistas fora de sua especialidade."

Bryant 2003.
"...the processes by which the scientific culture and its knowledge become incorporated into the common culture."
["... os processos pelos quais a cultura científica e seus conhecimentos se incorporam na cultura comum."]

Burns et al. 2003.
"Science communication (SciCom) is defined as the use of appropriate skills, media, activities, and dialogue to produce one or more of the following personal responses to science (the AEIOU vowel analogy): Awareness, Enjoyment, Interest, Opinion-forming, and Understanding."
["A comunicação pública de ciências é definida como o uso de habilidades, mídias, atividades e diálogos apropriados para produzir uma ou mais das seguintes respostas pessoais em relação às ciências: consciência, diversão, interesse, formação de opinião e compreensão."]

Valério 2005.
"consiste no ato de tornar públicos, popularizar e/ou vulgarizar as ciências através (ou a partir) de instrumentos e práticas sociais de comunicação, objetivando fundamentalmente a promoção da educação científica e tecnológica da audiência; um esforço dirigido àqueles sem formação específica sobre em ciência (desde o carente em educação básica até o cidadão culto, inclusive os com formação superior em áreas distintas). Ainda a esse respeito, embora congregue práticas diversas como as exposições interativas, o teatro e a literatura, as abordagens críticas à divulgação científica se direcionam principalmente a prática do jornalismo científico, sobretudo aos meios de comunicação de massa."

Ogawa 2012.
"... purposive intervention by a driving actor or a group of driving actors to alter the present state of the relationship between sciences and society toward their desired state"
["... intervenção proposital por um agente ou um grupo de agente que alteram o estado atual da relação entre as ciências e a sociedade para um estado desejado."]

Joubert & Guenther 2017.
"... the communication of scientific information - by scientists - to people not involved with research in the same field."
["... a comunicação de informações científicas - por cientistas - para pessoas não envolvidas com pesquisa no mesmo campo de conhecimento."]

NASEM 2017.
"... the exchange of information and viewpoints about science to achieve a goal or objective such as fostering greater understanding  of science and scientific methods or gaining greater insight into diverse public views and concerns about the science related to a contentious issue."
["... a troca de informações e pontos de vista sobre ciência para atingir uma meta ou objetivo tais como fomentar uma maior compreensão da ciência e métodos científicos ou ganhar um insight maior sobre as diferentes visões e preocupações do público sobre ciência relacionadas a questões polêmicas."]

Referências
Bueno, Wilson da Costa. 1988. Jornalismo científico no Brasil: aspectos teóricos e práticos. São Paulo: CJE /ECA-USP, 1988.
Bryant, C. 2003. Does Australia Need a More Effective Policy of Science Communication? International Journal for Parasitology 33 (4): 357–361.
Burns, TW, O’Connor, DJ, & Stocklmayer, S.M. 2003. Science Communication: A Contemporary Definition. Public Understanding of Science, 12(2), 183–202.
Calvo Hernando, Manuel. 1992. Periodismo Científico. Madrid: Paraninfo. Apud Beltrão & Sayago 2008.
Fayard, Pierre 1988. La Communication Scientifique Publique. De la Vulgarization a la Médiatisation, Lyon, Chronique Social, pp. 11-12.. Apud Massarani 1998.
Joubert, Marina  and  Guenther, Lars. 2017. In the footsteps of Einstein, Sagan and Barnard: Identifying South Africa's most visible scientists. S. Afr. j. sci. 113 (11-12):1-9.
NASEM. 2017. Communicating Science Effectively: A Research Agenda. National Academies Press 152 pp.
Ogawa, Masakata. 2012. Towards a 'Design Approach' to Science Communication. In Gilbert, JK. & Stocklmayer, SM. (eds) "Communication and Engagement with Science and Technology", Routledge, 352 pp.
Valério, Marcelo. 2006. Os desafios da divulgação científica sob o olhar epistemológico de Gaston Bachelard.In Nardi, R. & Borges, O. (orgs.) Atas do 5o. Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, realizado em Bauru, no ano de 2005. ABRAPEC, 2006. . http://abrapecnet.org.br/atas_enpec/venpec/conteudo/artigos/3/pdf/p153.pdf (adido em 19.abr.2019)
------------------
Veja também:
4 Curiosos. 07.abr.2019. Divagando na Divulgação.
Larissa Santana/A Ciência Explica. 21.fev.2019. O que é Divulgação Científica?

segunda-feira, 1 de abril de 2019

É mentira, Terta? - Apareceu a margarida, olê, olê, olá...

A maioria das plantas atraem polinizadores por oferta de alimentos (com néctar) ou por falsa oferta de alimentos com formas e cheiros que imitam comida (ou substrato de oviposição - que serve de alimento para as larvas). Uma menor parte explora as necessidades sexuais dos polinizadores - especialmente os machos - produzindo fragrâncias que imitam as companheiras e mesmo estruturas que se parecem com a forma da fêmea do agente.

É o caso, por exemplo, da margarida Gorteria diffusa. Ela se parece com as demais margaridas, mas algumas de suas "pétalas" (na verdade, flores do raio, as mais periféricas do capítulo floral) apresentam uma mancha escura texturizada que se parece com moscas bombyliídeas.

Margarida Gorteria diffusa com manchas escuras em algumas "pétalas" (flores do raio). Fonte: A: Wikimedia Commons; B: Wikimedia Commons.
A distribuição das manchas varia de inflorescência para inflorescência e isso se distribui ao longo de um gradiente ambiental. Nas "flores" (inflorescências) em que as manchas ocorrem em todas as "pétalas", formando um anel escuro ao redor do disco central do capítulo, as moscas atraídas exibem basicamente apenas comportamento de alimentação; nas "flores"com apenas duas ou três manchas separadas, observam-se comportamentos de cópulas entre os visitantes.

Para Ellis & Johnson 2010 a variação reflete uma eficiência estratégica na atração de polinizadores. As fêmeas são menos atraídas para as "flores" com manchas que imitam as moscas, por outro lado, os machos, ao realizarem movimentos copulatórios, acabam transferindo mais pólen entre as "flores". Assim, hipotetizam os autores, isso pode refletir uma diferença local da disponibilidade do pólen (densidade de plantas, talvez) e seu papel como fator limitante ou não para a fertilidade das flores femininas.

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails