PESQUISA

Participe da votação sobre os melhores canais de divulgação científica em português na internet.

segunda-feira, 1 de abril de 2013

É mentira, Terta? Você pode correr, mas não pode se esconder. Será?

ResearchBlogging.orgA camuflagem é relativamente comum entre os mamíferos. Sua coloração entre ocre e acastanhado permitem que fiquem pouco visíveis sobre solo nu, rochas e entre tronco de árvores e folhas secas da serapilheira; animais brancos como ursos-polares e raposas-árticas e filhotes de várias espécies de focas confundem-se com o gelo e a neve - há espécies, como vários mustelídeos, que mudam a cor da pelagem de acordo com a estação do ano.

Bem menos comum são os casos de mimetismo entre nossos irmãos de classe.

Em 1867, Alfred Russel Wallace, escrevia: "Among the Mammalia the only case which may be true mimicry is that of the insectivorous genus Cladobates, found in the Malay countries, several species of which very closely resemble squirrels. The size is about the same, the long bushy tail is carried in the same way, and the colours are very similar. In this case the use of the resemblance must be to enable the Cladobates to approach the insects or small birds on which it feeds, under the disguise of the harmless fruit-eating squirrel." ["Entre os Mammalia, o único caso que deve ser de mimetismo verdadeiro é o do gênero de insetívoro Cladobates, encontrado em terras malaias, várias espécies do qual lembram em muito os esquilos. O tamanho é aproximadamente igual e a longa cauda peluda é carregada do mesmo modo e as cores são muito similares. Neste caso, a semelhança deve ser usada para permitir ao Cladobates aproximar-se de insetos e pequenos pássaros dos quais se alimenta, sob o disfarce de um inofensivo esquilo comedor de frutas." - O gênero Cladobates atualmente é denominado de Tupaia (tupaia vem do malaio e significa... 'esquilo'); o animal, com seu focinho longo e fino, é muito parecido com o esquilo pré-histórico Scrat da franquia de animação em computação Era do Gelo.]

Figura 1. Tupaia comum (Tupaia glis). Fonte: Wikimedia Commons.

Outra proposta de caso de mimetismo mamífero é o de Gingerich (1975): os aardwolf (ou lobo da terra) imitariam hienas rajadas (Figura 2).

a)b)
Figura 2. a) Aardwolf (Proteles cristata); b) Hiena rajada (Hyaena hyaena). Fonte: Wikimedia Commons.

E os filhotes de guepardo (de até cerca de 2 meses e meio de idade), o padrão de pelagem de ratéis adultos, propõe Eaton (1976). (Figura 3)



a) b) 
Figura 3. a) Filhote de guepardo (Acinonyx jubatus); b) Ratel adulto (Mellivora capensis). Fonte: Wikimedia Commons.

Filhotes de guepardo estão entre os grandes felinos mais intensamente predados, sofrendo ataques de leões, hienas e leopardos. Muitos organismos apresentam um padrão de contrassombra - o dorso com um tom mais escuro e o ventre com uma coloração mais clara. UmE quando iluminado de cima (o que normalmente ocorre na natureza), a região ventral é escurecida pelo sombreamento, o padrão de contrassombra contrabalança o efeito, diminuindo pistas visuais sobre sua presença (Figura 4).

Figura 4. Efeito do padrão de contrassombra iluminado por cima.

Os pelos dorsais prateados de ratéis adultos e filhotes de guepardos, no entanto, os destacam no ambiente. O ratel é um animal bastante agressivo e é capaz de afugentar potenciais predadores com suas garras e dentes - sua pelagem contrastante serve de alerta contra tais predadores. Filhotes jovens de guepardos podem se beneficiar de um mimetismo batesiano, já que a maioria de seus predadores usam principalmente pistas visuais. Mas, à medida que crescem, tornam-se maiores do que ratéis adultos, e é justamente nessa época em que sua pelagem muda, perdendo os pelos prateados no dorso e adquirindo um padrão que se destaca menos em relação ao ambiente, e também passam a ser mais ágeis, conseguindo fugir de predadores em potencial.

Porém, como notam Caro et al. (2005), embora seja uma especulação interessante, como nota não há um suporte mais direto em dados nem experimentos controlados para o caso da possível imitação de ratéis por filhotes de guepardos. (Na verdade tampouco há maior suporte experimental e observacional para os outros casos citados: de tupaias/esquilos e de lobos da terra/hienas rajadas.)

Referências
Caro, T.; Hill, G.; Lindstrom, L. & Speed, M. 2008. The colours of animals: from Wallace to the present day. II. Conspicuous coloration. In Natural Selection and Beyond: The Intellectual Legacy of Alfred Russel Wallace, eds. Smith, C.H. & Beccaloni, G. Oxford, UK: Oxford University Press, pp. 144-65.
Eaton, R. (1976). A Possible Case of Mimicry in Larger Mammals Evolution, 30 (4) DOI: 10.2307/2407827
Gingerich, P. (1975). Is the aardwolf a mimic of the hyaena? Nature, 253 (5488), 191-192 DOI: 10.1038/253191a0.
Wallace, A.R. 1867 (2012). Mimicry, and Other Protective Resemblances Among Animals. eBooks@Adelaide. Acessado em: 22/março/2013.

Nenhum comentário:

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails