PESQUISA

Participe da votação sobre os melhores canais de divulgação científica em português na internet.

quarta-feira, 7 de março de 2018

Mulheres nas Ciências: Por que tão poucas?*

Em um artigo publicado na revista Science, a socióloga Alice S. Rossi, da University of Chicago, pergunta já no título de seu artigo: "Women in Science: Why So Few?" ["Mulheres nas Ciências: Por que tão poucas?"].

A cientista recapitula o contexto americano em que, entre os anos 1940 e 1950, houve um rápido crescimento da população com deslocamento das famílias para os subúrbios, com saudação do papel das mulheres nas casas. Tal cenário começava a se modificar mais acentuadamente na década de 1960, com as autoridades procurando incentivar a maior participação das mulheres no mercado de trabalho. Se a sociedade americana deseja mais mulheres nas ciências, conclui Rossi, será preciso:

1) "Educar meninos e meninas para todos os principais papéis adultos (como pais, cônjuges, trabalhadores, e mesmo como seres que se divertem)." Para a autora, "as mulheres não deixarão de ver o trabalho como algo temporário até encontrar um marido se não se garantirem ocupações significativas em suas vidas, como é para os homens".

2) "Parar de restringir e diminuir os objetivos ocupacionais das meninas com a desculpa de aconselhá-las a serem 'realistas'." Rossi assinala o papel triplo das mulheres: "profissional, esposa e mãe; e que as dificuldades por elas enfrentadas devem ser encaradas como um problema *social* e não algo individual - será preciso realizar uma engenharia social (não exatamente no sentido usual da cultura hacker) e não relegar para que as mulheres se virem sozinhas". "Os conflitos", diz a autora, "não são necessariamente um mal a ser evitado, podem ser usados para estimular mudanças sociais".

3) "Aplicar a tecnologia para racionalizar a manutenção do lar. As responsabilidades das mulheres e maridos empregados podem ser diminuídas por empresas de limpeza e cuidados domésticos."

4) "Encorajar os homens a serem mais articulados a respeito de si mesmos como homens e sobre as mulheres. A visão de jovens e capacitadas mulheres a respeito do casamento e carreira pode ser mudada mais eficientemente se os homens acharem o casamento com mulheres que trabalham uma experiência satisfatória do que por exortação de mulheres profissionais ou por especialistas em mercado de trabalho e instrutores familiares cujas esposas são do lar."

A cientista ainda enfatiza que as diferenças fisiológicas entre homens e mulheres são suficientemente claras e tão fundamentais na autodefinição que nenhuma alteração no sentido de uma maior similaridade nos papéis sociais de homens e mulheres irá afetar a identidade sexual de crianças ou adultos. Ninguém ficará confuso se os homens forem mais gentis e expressivos e as mulheres mais agressivas e intelectuais. Se alguma mudança será causada pela maior similaridade nos papéis de homens e mulheres na família e na profissão, será um maior entusiasmo e vitalidade nas relações entre homens e mulheres, minimizando a segregação social entre os sexos. E um aumento no número de mulheres cientistas é apenas um dos efeitos desejáveis que seriam resultantes de tal mudança social, finaliza a pesquisadora.

----------------
Ah, pequeno detalhe. O artigo foi escrito em 1965. Há mais de cinquenta anos. Talvez seja exagero dizer que não avançamos nada. Mas nem tanto dizer que o texto e as observações da socióloga, morta em 2009, permanecem atualíssimos (infelizmente).

----------------
*Em outra feita, usei da frase da divulgadora científica Sharon Berstch McGrayne - relembrada pela psicóloga Nadia Regina Loureiro de Barros Lima, em uma entrevista para um texto sobre a participação das mulheres nas ciências - que é a pergunta oposta: "mas como tantas?", tais as quantidades e os tamanhos das barreiras que as mulheres enfrentam nas profissões de prestígio social do ingresso à progressão na carreira.

Nenhum comentário:

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails