PESQUISA

Participe da votação sobre os melhores canais de divulgação científica em português na internet.

quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

Algumas ideias para o novo Ministro do MCT

Proponho aqui algumas ideias - não sei exatamente o quão facilmente elas poderiam ser implementadas - para o novo Ministro de Ciência e Tecnologia Aloizio Mercadante. Não estão em nenhuma ordem em particular.

- Realização periódica de pesquisa de compreensão e atitude sobre ciências da população brasileira. Um tanto nos moldes da realizada NSF americana. Naturalmente adaptada às condições nacionais. Se não de caráter anual, já que pesquisas assim são caras, ao menos bianual ou quinquenal. (São dados importantes para orientar as ações de divulgação e promoção das ciências, seria importante para orientar o MEC também - juntamente com dados como o PISA, o Enem e o Enade.)

- Criação de uma Agência Nacional de Importação de Insumos para a Pesquisa Científica. A burocracia dificulta e encarece a pesquisa brasileira, os cientistas não apenas não sabem preencher esses tipos de formulários segundo detalhes dos editais como não é sua função - além disso é inviável ter que reaprender as regras a cada alteração realizada. Seria mais racional se uma agência especializada ajudasse os pesquisadores - estes apenas preencheriam um formulário simplificado sobre o material necessário: os funcionários da agência cuidariam do levantamento do orçamento, dos prazos e outros detalhes, informando ao pesquisador, que escolheria dentre as opções a que mais bem servisse a seu projeto. Muitos insumos de consumo comum poderiam ser importados em quantidade maior, permitindo a negociação de condições mais vantajosas com os fornecedores. Isso faria também que as verbas não precisassem ser movimentadas muitas vezes: para o orçamento das agências financiadoras, para a conta dos projetos, para a conta dos fornecedores... - aumentando a racionalidade e diminuindo os custos de movimentação financeira.

- Esta ideia parece que já havia sido engatilhada, mas não sei em que pé está: uma Agência Brasileira de Notícias Científicas e Acadêmicas. Seria um grande portal, talvez no estilo do EurekAlert, que divulgaria as pesquisas financiadas pelo MCT e outras agências de fomento à pesquisa e os trabalhos das IES brasileiras: em especial das federais. Muitas IES possuem sua própria agência de notícias, e elas poderiam continuar a existir, a agência nacional filtraria as que teriam interesse em nível nacional e internacional. IES menores que não teriam como manter uma agência própria poderia se valer desse serviço, haveria uma maior visibilidade da pesquisa nacional e uma maior facilidade de acesso tanto pelos veículos noticiosos quanto pela população.

- Este projeto para ser tocado em conjunto com o MMA, o MME e outros órgãos relevantes: a substituição das lâmpadas incandescentes e fluorescentes por lâmpadas LED de alto brilho. As fluorescentes são ainda mais baratas do que as LED, mas a maioria são xing-lings sem certificação e poluentes; e mais, só uns 6% recebem tratamento adequado para descarte. As LED não levam pó de fósforo nem vapor de mercúrio, sendo totalmente recicláveis. Há pesquisa nacional para lâmpadas nanoLED mais eficientes: as lâmpadas poderiam ser produzidas aqui, gerando empregos; e um programa dessa natureza daria escala para reduzir os custos de produção e as lâmpadas poderiam até ser exportadas.

- Banco Online de Dados de Georreferenciamento de Espécimes Nativos. Um grande banco de dados online em que os pesquisadores forneceriam os dados padrões de espécimes coletados (como espécie, dados biométricos e fenéticos, local e data de coleta, local em que foi depositado e outros): os coletados em território nacional, os coletados com financiamento de órgãos brasileiros. Não necessariamente de caráter obrigatório. E poderia ser ampliado para a colaboração com outros países do Mercosul, da América Latina ou mesmo do resto do mundo. Isso seria importantíssimo para o mapeamento da biodiversidade brasileira, análise da dinâmica populacional, do impacto das atividades humanas, etc. *Roberto Berlinck, do Quiprona, nos comentários e pelo twitter, informa que o SIS-Biota terá um banco de dados georrerenciados - mas não sei se será fechado somente para os dados das pesquisas que fazem parte do projeto. A idéia seria um BD aberto para todos os pesquisadores que trabalharem com coleta de espécimes alimentarem o sistema com informações - como o GenBank em relação a dados biomoleculares. *** Outro projeto nacional similar é o SiBBr (Sistema de Informação sobre a Biodiversidade Brasileira). As instituições pedem como contrapartida verbas para proteção de suas coleções com melhorias de infraestrutura.

- Biblioteca Digital de Obras e Documentos Históricos e Científicos Raros. Diversas instituições possuem em suas coleções obras raras de inestimável valor histórico e científico. Por razões de conservação e segurança, são de acesso restrito. A digitalização delas permitiria a consulta sem riscos de danos à obra, e facilitaria a consulta pelos pesquisadores e daria acesso ao público em geral.

Upideite(06/jan/2011): - Em conjunto com o IBGE, criar um banco de dados estatísticos nos moldes do GSS, que permite a busca com cruzamento de parâmetros. A base são microdados de pesquisas de opinião que se pode consultar agregando-se os dados de modo mais livre - sem que seja possível acessar dados individualizados. O IBGE tem o SIDRA, um excelente instrumento, mas voltado para parâmetros econômicos e populacionais (e não tão versátil quanto a base do GSS). Todas as pesquisas de opinião encomendadas por órgãos governamentais seriam carregadas nessa base. Poderia incluir pesquisas de outra natureza também: por exemplo, integrando os dados do Enem e do Enade - seria possível fazer um cruzamento de dados entre desempenho e renda familiar, desempenho por cidade, comparar a razão sexual por faixa etária de estudantes, etc.

Upideite(08/jan/2011): Com a profusão de 'olimpíadas' de diversas áreas das ciências: física, química, biologia, matemática, etc., poderiam, em conjunto com o MEC, aproveitar a realização dos Jogos Olímpicos de Verão Rio 2016 para organizar aqui também uma Olimpíada Científica Multimodal - umas duas semanas concentrando as finais mundiais de todas as áreas. (Sei que muitos educadores têm restrições quanto ao caráter competitivo e 'conteudista' - e entendo a bronca deles - dessas iniciativas, mas seria uma boa oportunidade de fomentar a educação, a disseminação e a cultura científicas.) **Parece que a SBPC e a ABC estão levando essa proposta adiante (não sei se em caráter internacional ou nacional).

*Upideite(08/jan/2011): adido a esta data.

**Upideite(26/jun/2012): adido a esta data. Via @SangariBR.

***Upideite(27/mai/2013): adido a esta data. Via @scienceblogsbr.

3 comentários:

Roberto G. S. Berlinck disse...

Caro Takata,

Muito interessantes tuas propostas.

No que se refere ao "Banco Online de Dados de Georreferenciamento de Espécimes Nativos", este deverá ser criado no âmbito do programa SISBIOTA, do CNPq.

abraços,
Roberto

none disse...

Salve, Berlinck,

Esse 'deverá' significa que já tem um projeto em andamento?

[]s,

Roberto Takata

Roberto G. S. Berlinck disse...

Sim.

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails