PESQUISA

Participe da votação sobre os melhores canais de divulgação científica em português na internet.

sexta-feira, 1 de abril de 2011

É mentira, Terta? - A morte lhe cai bem

ResearchBlogging.orgAlguns animais quando em situação de perigo: como a presença de um potencial predador ou de machos mais fortes em disputa pelas fêmeas - exibem um comportamento que simula a morte. Esse comportamento é denominado de tanatose (do grego thanatos - 'morte').

Muitos predadores consomem apenas presas vivas, o que lhes seria vantajoso na medida em que organismos mortos podem entrar rapidamente em putrefação com liberação de compostos tóxicos conforme seu material é degradado pelos micro-organismos. Em disputas por fêmeas, machos tenderão a não atacar indivíduos que não considerem como rivais em potencial.

Em muitos casos, como no gambá, o indivíduo apenas permanece imóvel mesmo quando tocado ou movido. Esse estado, após a cessação do estímulo inicial, pode ter uma duração variável mesmo entre indivíduos de uma mesma espécie - e experimentalmente mostrou-se que os que permanecem em tanatose por um tempo muito curto tendem a ser rapidamente descobertos e predados, um ótimo indicativo de que se trata de uma característica adaptativa (Miyatake et al. 2011).

Em cobras colubrídeas, no entanto, encontramos uma grande variação na tanotose. Em algumas espécies, o comportamento consiste apenas na paralisia; em algumas, a paralisia é acompanhada de rigidez muscular (em estado similar à rigidez cadavérica - que ocorre em uma etapa mais avançada do pós-morte); em algumas espécies, o indivíduo se retorce, como nos estertores da morte; pode ocorrer a abertura da boca e exibição da língua (como quando músculos e ligamentos estão em estado mais adiantado de decomposição); o indivíduo pode se virar de costas com o ventre para cima; ou até mesmo haver liberação pela glândula anal de um odor putrefato. (Vogel & Han-Yuen 2010.)



O vídeo acima é da tanatose em uma serpente focinho-de-porco (Heterodon platirhinos) Melhor que muito ator canastrão, não?

Referência
Miyatake T, Katayama K, Takeda Y, Nakashima A, Sugita A, & Mizumoto M (2004). Is death-feigning adaptive? Heritable variation in fitness difference of death-feigning behaviour. Proceedings. Biological sciences / The Royal Society, 271 (1554), 2293-6 PMID: 15539355*
Vogel, G. & Han-Yuen, H.K. 2010. Death feigning behavior in three colubrid species of tropical Asia. Russian Journal of Herpetology 17(1): 15-12.

*Upideite(07/abr/2011): adido a esta data.

2 comentários:

Fernando Ariel Genta disse...

Caro Takata,

A tanatose é comum em insetos também. Vejo muito isso nos besouros que estudamos no laboratório(tenébrios). Um exemplo doméstico e comum: muitas vezes aquela barata que a gente pensa que está morta e deixa pra recolher depois some! Mas não tenho vídeo, se fizer isso em casa minha mulher me mata. E eu não domino a técnica de fingir de morto...

none disse...

Salve, Genta,

Pois é, é um comportamento bastante espalhado.

Rere, você não vai mesmo precisar se fingir de morto se fizer o experimento.

[]s,

Roberto Takata

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails